Freeway.

Qual é o sentido do nosso amor? Ele vai ou vem? Ele vai e vem? Se for mão dupla, tem que cuidar com as curvas perigosas, porque não podemos derrapar e invadir o lado oposto. E nas tuas curvas – as mais perigosas – os freios do meu amor não seguram e eu vou cair no teu precipício. É melhor assim do que um só sentido – nada de platônico me agrada. Mas cuidado pra não deixar a pista mollhada, ou os danos serão irreversíveis.

Mentiras.

Qual é a sensação de ser um mentiroso, de enganar a namorada, o chefe, os amigos, os filhos, e mais do que todos, a si mesmo? Eu minto sim, mas minto pouco. E me sinto mal. Pra piorar, sou péssimo nisso. Ninguém ficou magoado quando eu omiti que aquela menina deu em cima de mim, quando o chato não soube que era um chato ou quando as pessoas não perceberam que eu estava decepcionado. Mas mesmo assim eu me senti mal e perdi o sono. Eu desejo mentir cada vez menos, custe o que custar, doa a quem doer.

Há muitos textos muito bons sobre o assunto. Eu recomendo a leitura deste aqui: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI119739-15230,00-A+MENTIRA+INEVITAVEL.html